Trabalhar com música no Brasil e na América Latina como um todo é uma luta diária, constante e, muitas vezes, desanimadora. Porém, fazer o que se gosta, com quem se gosta e com o som que se gosta não tem preço, e se preciso for, empenha-se a própria vida pra fazer a coisa acontecer, desde a correria da organização e produção do show/turnê até os processos de gravação e materialização do material em LP, CD e K7. Hoje a Music Matters quer te mostrar alguns exemplos de selos independentes que tem pérolas e pessoas maravilhosas que mantém essa roda girando, para felicidade dos nossos ouvidos. Em tempos onde se diz que colaborar é mandatório, o underground há décadas sempre foi um grande coworking, before it was cool 🙂

Com o fortalecimento do formato que tanto gostamos, a indústria tem até se organizado para atender melhor essa demanda, reprensando edições antigas e prensando discos que ainda não haviam sido feitos nesse formato, porém os selos nunca pararam de produzir, e indiferente dos mares em que se navegue, hoje temos um enorme privilégio com a busca digital, que é parte diária do nosso garimpo, muitas vezes materializando os trabalhos em função de sua popularidade.

Clique nos nomes, ouça tudo alto e comente!

PUNCH DRUNK

Selo de alma DIY captaneada por Daniel Villaverde, o “Rei do Underground” do sul. Punk, hardcore e psicodelia com boas doses de dadaísmo, com figuras icônicas das cenas novas e antigas de Porto Alegre como a 3D, Ornitorrincos e Plato Divorak.

LITTLE BUTTERFLY

Um trabalho de resgate maravilhoso da música uruguaia das décadas de 60/70, feito com a paixão de quem ama escavar o passado para encontrar tesouros que poucos conhecem. Blues, psicodelia, cumbia e música folclórica do Uruguai fazem parte desse caldeirão que tem desde patrimônios nacionais como Mateo, Días de Blues e Psiglo, até o improvável (e sensacional) Hablan por la Espalda.

MEIA VIDA

Vindo de Curitiba, a Meia Vida nos traz uma produção de alta personalidade, mixando punk, noise, postpunk, industrial e ambient em um trabalho singular, com destaque para os Cãos, Flores Feias e Circulo Avesso.

PSYCHIC REBELLION

Se você (assim como eu) adora o death metal 90, powerviolence, hardcore, noise e industrial, aqui é prato cheio, recheado com tudo que faz a alegria dos entusiastas da tortice. Ouça VVegas, Shade of Mankind e Mankeulv. \m/

MUNSTER RECORDS

Do punk ao flamenco esse selo espanhol tem um dos acervos mais insanos do mundo. É prova viva do “quanto mais você sabe, menos você sabe”. Descobri por causa dos Los Saicos que a saudosa Damn Laser Vampires (a maior banda de punkpolka do mundo) me ensinou a curtir. Visite e se apavore.

LEZMA RECORDS

Um olhar e uma produção diferente em uma cena especialíssima com entidades locais que produzem pérolas como a Supervão, Siléste, Moldragon e EX. Surrealismo pampeano com densidade e tensão.

SINEWAVE LABEL

Presente desde 2008, a Sinewave trabalha com um leque bem amplo que abraça desde o experimental, shoegaze e post-rock. Destaques para Polvö, The Tape Desaster e Herod.

MASS MEDIA RECORDS

Selo californiano focado em postpunk, gothic rock, death rock e gêneros que andam neste espectro. Ouçam ZOTZ, Cemetary e Masses, climões batcave para já iniciados da Ordem Siouxie :).

NADA NADA DISCOS

Os paulistas do Nada Nada tem duas frentes fundamentais no meu humilde ponto de vista: 1- o lançamento de bandas especialíssimas como Rakta, Cadáver em Transe e Gattopardo e 2- o resgate de discos fundamentais na cena punk brasileira, como o Cólera, a coletânea SUB e a demo das Mercenárias. Ouça e ame.

 

Se você sentiu falta de alguém (e é obvio que falta muita gente aqui) comente e vamos fazer a versão 2.0 em breve. Um abraço do tamanho do nosso amor pela música.